Discurso sobre o sonho pode ajudar no diagnóstico de doenças

A pista dada por Sigmund Freud (1856-1939) no livro “A intepretação dos sonhos", de 1899, de que “os sonhos são a estrada real para o inconsciente”, chave para a Psicanálise, também pode ser útil na Psiquiatria, no diagnóstico clínico de transtornos mentais, como a esquizofrenia e a bipolaridade, entre outras.
A constatação é de um grupo de pesquisadores do Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em colaboração com colegas do Departamento de Física da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e do Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão em Neuromatemática (Neuromat) – um dos CEPIDs da FAPESP.
Eles desenvolveram uma técnica de análise matemática de relatos de sonhos que poderá, no futuro, auxiliar no diagnóstico de psicoses.
A técnica foi descrita em um artigo publicado em janeiro na Scientific Reports, revista de acesso aberto do grupo Nature.
“A ideia é que a técnica, relativamente simples e barata, seja utilizada como ferramenta para auxiliar os psiquiatras no diagnóstico clínico de pacientes com transtornos mentais de forma mais precisa”, disse Mauro Copelli, professor da UFPE e um dos autores do estudo, à Agência FAPESP.
De acordo com Copelli – que realizou mestrado e doutorado parcialmente com Bolsa da FAPESP –, apesar dos esforços seculares para aumentar a precisão da classificação dos transtornos mentais, o atual método de diagnóstico de psicoses tem sido duramente criticado.
Isso porque ele ainda peca pela falta de objetividade e pelo fato de a maioria dos transtornos mentais não contar com biomarcadores (indicadores biométricos) capazes de auxiliar os psiquiatras a diagnosticá-los com maior exatidão.
Além disso, pacientes com esquizofrenia ou transtorno bipolar muitas vezes apresentam sintomas psicóticos comuns, como alucinações, delírios, hiperatividade e comportamento agressivo – o que pode comprometer a precisão do diagnóstico.
“O diagnóstico dos sintomas psicóticos é altamente subjetivo”, afirmou Copelli. “Por isso mesmo, a última versão do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais [publicado pela Associação Americana de Psiquiatria em 2013] foi muito atacada”, avaliou.
A fim de desenvolver um método quantitativo para avaliar sintomas psiquiátricos, os pesquisadores gravaram, com o consentimento dos envolvidos, os relatos dos sonhos de 60 pacientes voluntários, atendidos no ambulatório de psiquiatria de um hospital público em Natal (RN).
Alguns dos pacientes já tinham recebido o diagnóstico de esquizofrenia, outros de bipolaridade e os demais, que formaram o grupo de controle, não apresentavam sintomas de transtornos mentais.
Os relatos dos sonhos dos pacientes, feitos à psiquiatra Natália Bezerra Mota, doutoranda na UFRN e primeira autora do estudo, foram transcritos.
As frases dos discursos dos pacientes foram transformadas por um software desenvolvido por pesquisadores do Instituto do Cérebro em grafos – estruturas matemáticas similares a diagramas nas quais cada palavra dita pelo paciente foi representada por um ponto ou nó, como o feito em uma linha de crochê.
Ao analisar os grafos dos relatos dos sonhos dos três grupos de pacientes os pesquisadores observaram que há diferenças muito claras entre eles.
O tamanho, em termos de quantidade de arestas ou links, e a conectividade (relação) entre os nós dos grafos dos pacientes diagnosticados com esquizofrenia, bipolaridade ou sem transtornos mentais apresentaram variações, afirmaram os pesquisadores.
“Os pacientes com esquizofrenia, por exemplo, fazem relatos que, quando representados por grafos, possuem menos ligações do que os demais grupos de pacientes”, disse Mota.
Diferenças de discursos
Segundo os pesquisadores, a diferenciação de pacientes a partir da análise dos grafos de relatos dos sonhos foi possível porque suas características de fala também são bastante diversificadas.
Os pacientes esquizofrênicos costumam falar de forma lacônica e com pouca digressão (desvio de assunto) – o que explica por que a conectividade e a quantidade de arestas dos grafos de seus relatos são menores em comparação às dos bipolares.
Por sua vez, pacientes com transtorno bipolar tendem a apresentar um sintoma oposto ao da digressão, chamado logorreia ou verborragia, falando atabalhoadamente frases sem sentido – chamado na Psiquiatria de “fuga de ideias”.
“Encontramos uma correlação importante dessas medidas feitas por meio das análises dos grafos com os sintomas negativos e cognitivos medidos por escalas psicométricas utilizadas na prática clínica da Psiquiatria”, afirmou Mota.
Ao transformar essas características marcantes de fala dos pacientes em grafos é possível dar origem a um classificador computacional capaz de auxiliar os psiquiatras no diagnóstico de transtornos mentais, indicou Copelli.
“Todas as ocorrências no discurso dos pacientes com transtornos mentais que no grafo têm um significado aparentemente geométrico podem ser quantificadas matematicamente e ajudar a classificar se um paciente é esquizofrênico ou bipolar, com uma taxa de sucesso comparável ou até mesmo melhor do que as escalas psiquiátricas subjetivas utilizadas para essa finalidade”, avaliou.
O objetivo dos pesquisadores é avaliar um maior número de pacientes e calibrar o algoritmo (sequência de comandos) do software desenvolvido para transformar os relatos dos sonhos em grafos que possam ser usados em larga escala na prática clínica de Psiquiatria.
 
Apesar de utilizada inicialmente para o diagnóstico de psicoses, a técnica poderá ser expandida para diversas outras finalidades, contou Mota.
“Ela poderá ser utilizada, por exemplo, para buscar mais informações sobre estrutura de linguagem aplicadas à análise de relatos de pessoas não apenas com sintomas psicóticos, mas também em diferentes situações de declínio cognitivo, como demência, ou em ascensão, como durante o aprendizado e o desenvolvimento da fala e escrita”, indicou a pesquisadora.
Papel dos sonhos
Os pesquisadores também desenvolveram e analisaram, durante o estudo, os grafos de relatos sobre atividades realizadas pelos pacientes voluntários na véspera do sonho.
Os grafos desses relatos do dia a dia, chamados de “relatos de vigília”, não foram tão indicativos do tipo de transtorno mental sofrido pelo paciente como outros, disse Copelli.
“Conseguimos distinguir esquizofrênicos dos demais grupos usando a análise dos grafos dos relatos de vigília, mas não conseguimos distinguir bem os bipolares do grupo de controle dessa forma”, contou.
Os pesquisadores ainda não sabem por que os grafos dos discursos sobre o sonho são mais informativos sobre psicose do que os grafos da vigília.
Algumas hipóteses esmiuçadas na pesquisa de doutorado de Mota estão relacionadas a mecanismos fisiológicos de formação de memória.
“Acreditamos que, por serem memórias mais transitórias, os sonhos podem ser mais demandantes cognitivamente e ter maior impacto afetivo do que as memórias relacionadas ao cotidiano, e isso pode tornar seus relatos mais complexos”, contou a pesquisadora.
“Outra hipótese é que o sonho está relacionado a um evento vivenciado exclusivamente por uma pessoa, sem ser compartilhado com outras, e por isso talvez seja mais complexo de ser explicado do que uma atividade relacionada ao cotidiano”, disse.
Para testar essas hipóteses, os pesquisadores pretendem ampliar a coleta de dados aplicando questionários em pacientes com registro de primeiro surto psicótico, com o objetivo de esclarecer se outros tipos de relatos, como de memórias antigas, podem se equiparar ao sonho em termos de informação psiquiátrica. Eles também querem verificar se podem usar o método para identificar sinais ou grupo de sintomas (pródromo) e acompanhar efeitos de medicações.
“Pretendemos investigar em laboratório, com eletroencefalografia de alta densidade e diversas técnicas de mensuração de distâncias semânticas e análise de estrutura de grafos, de que forma os estímulos recebidos imediatamente antes de dormir influenciam os relatos de sonhos produzidos ao despertar”, disse Sidarta Ribeiro, pesquisador do Instituto do Cérebro da UFRN.
“Estamos particularmente interessados nos efeitos distintos de imagens com valor afetivo”, afirmou Ribeiro, que também é pesquisador associado do Neuromat.
 Fonte: EXAME

Pesquisa no Blog

Últimos Posts

  • Autocuidado é a melhor prevenção

    O câncer de mama tem um impacto grande no psicológico da mulher. Quando a doença é detectada, são comuns manifestações emocionais como ansiedade, angústia, pensamentos negativos, sensação de esgotamento, problemas no sono e até o constante medo da morte. E mesmo após o tratamento, a ansiedade persiste, dessa vez relacionada ao medo da doença voltar a qualquer hora. A baixa autoestima é outro desafio para as mulheres com câncer de mama, pois há a preocupação com o corpo, que pode ter alterações, seja com a perda do cabelo, seja com a perda de uma mama. Por isso, o suporte psicológico para as mulheres que são diagnosticadas com o câncer de mama é imprescindível. Esse acompanhamento é tão importante quanto os medicamentos. Isso porque se o lado emocional não está bem, a qualidade de vida do paciente cai e há um grande risco para o sucesso do tratamento. O trabalho psicoterapêutico proporciona um melhor estado de equilíbrio e bem-estar para as mulheres num momento tão delicado.

    Porém, o melhor trabalho para combater o câncer de mama é a prevenção. E o que seria essa prevenção na prática? Segundo o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), prevenir o câncer de mama significa diminuir ou eliminar a exposição da mulher aos fatores de risco a fim de reduzir a possibilidade da ocorrência da doença ao longo da vida. Nesse mês de outubro, acontece o movimento conhecido como “Outubro Rosa”, que nasceu em 1990 e é celebrado anualmente com o objetivo de disseminar informações sobre o tema e estimular a participação da população no controle do câncer de mama. A meta para reduzir a mortalidade por câncer de mama pode ter a participação de toda a sociedade e é importante que a conscientização sobre a prevenção da doença aconteça dentro de casa, no ambiente familiar. De acordo com dados do Inca, no Brasil o câncer de mama é o segundo tipo de tumor maligno mais incidente entre as brasileiras, atrás apenas do câncer de pele não melanoma.

    A doença não apresenta sintomas na fase inicial, por isso é um desafio detectá-la precocemente. Quanto antes o câncer é identificado, maiores são as taxas de sucesso no tratamento. Segundo especialistas da área, se a doença for diagnosticada precocemente, a chance de cura é superior a 90%”. Por isso, os exames periódicos são tão importantes. A melhor maneira de fazer o diagnóstico precoce é o autocuidado. O autoexame da mama deve ser feito mensalmente e, na presença de alguma alteração, a mulher deve procurar um médico. O autoexame é extremamente importante: cerca de 65% das mulheres descobriram a doença sozinhas

     

    A detecção por meio de um exame especializado, a mamografia, também é uma recomendação muito importante. A Sociedade Brasileira de Mastologia orienta que o exame de mamografia seja feito em mulheres a partir de 40 anos e com periodicidade anual. No caso das mulheres com faixa etária entre 50 e 69 anos, estudos mostram que a mortalidade é reduzida em cerca de 20%. As recomendações dos especialistas para a prevenção do câncer de mama incluem ainda a adoção de bons hábitos, como alimentação saudável, atividade física e o controle de peso. Só com esses três cuidados, é possível evitar 28% dos casos de câncer de mama. Ou seja, a prevenção do câncer de mama é uma questão de educação, bons hábitos e acesso a assistência médica.

    Escrito em Domingo, 29 Outubro 2017 00:00
  • A importância dos animais de estimação

    "Cães não precisam de carros luxuosos, casas grandes ou de roupas chiques. Água e alimento já são o suficiente. Um cachorro não liga se você é rico ou pobre. Esperto ou não. Inteligente ou não. Entregue o seu coração e ele dará o dele. De quantas pessoas podemos dizer o mesmo? Quantas pessoas fazem você se sentir raro, puro e especial? Quantas pessoas nos fazem sentir extraordinários?" Esse é um trecho do filme e fenômeno de bilheteria Marley e Eu. Independentemente de serem exageradas ou não, essas frases confirmam o que a ciência já comprovou em muitos estudos: os animais de estimação contribuem positivamente para o bem-estar e desenvolvimento dos seres humanos, principalmente das crianças. 

     

    Um estudo feito pela Universidade de Liverpool, na Inglaterra, concluiu que há bons motivos para as famílias terem animais de estimação. Para quem tem criança em casa, o convívio com pets favorece o desenvolvimento emocional, comportamental, cognitivo, educacional e social na infância. Essa convivência proporciona mais autoestima e ajuda as crianças a se sentirem menos sozinhas. Os benefícios de ter um animalzinho em casa não são só psicológicos, mas também físicos. A revista americana Pediatrics acompanhou 397 crianças desde a gestação até o aniversário de um ano. E chegou à conclusão que os bebês que tiveram contato com animais de estimação, além de terem menos chances de desenvolver alergia aos bichinhos, apresentaram menos infecções respiratórias e de ouvido que outras crianças. 

     

    Outro dado interessante revelado pela Pediatrics: durante os primeiros 12 meses de vida, os bebês passam 65% do tempo sem problemas de saúde. Mas, a pesquisa comprovou que crianças que tiveram contato diário com cães ou gatos passaram 76% do tempo sem apresentar doenças. Apesar dos benefícios, a Pediatrics ressalta que é saudável para o bebê ter contato de, no máximo, seis horas diárias com o animal, pois seu organismo ainda é muito frágil.

     

    Os animais de estimação proporcionam ainda outro benefício para a saúde física, pois ao cuidá-los, as pessoas praticam mais  exercícios, movimentando o corpo mais vezes durante o dia. Os especialistas em saúde mental dizem ainda que os pets reduzem o estresse, aliviam a solidão e ajudam a combater a depressão. Todos são unânimes em afirmar que um bichinho traz alegria para dentro de casa e faz as pessoas se sentirem úteis e amadas.

    Escrito em Terça, 03 Outubro 2017 00:00
  • Cinco verdades da hipnose

    No próximo dia 20, o NitidaMente Instituto vai trazer para Salvador um curso especial de hipnoterapia para quem deseja entender e utilizar a técnica em diferentes situações. O curso “Hipnose Clínica”, que será ministrado pelo renomado professor Bruno Tricarico, é sucesso há 9 anos em Brasília e já formou hipnoterapeutas em outras capitais do país. Bruno tem formação nacional e internacional e é um dos autores do livro “Hipnose para o Clínico”, publicado pela Editora Santos. O especialista também é certificado como hipnoterapeuta pela maior e mais antiga organização de hipnose existente, a National Guild Of Hypnotists, fundada nos Estados Unidos em 1951.        

     

    Em três dias intensos de curso, ele pretende capacitar hipnoterapeutas para aplicar o conhecimento na prática. Segundo Bruno, ao final, cada aluno terá habilidade para utilizar a hipnose de diferentes maneiras. “Todos entenderão o que é e como utilizar a hipnose na hipnoterapia. Estarão aptos a avaliar, desenvolver e utilizar diferentes abordagens”, destaca Bruno.

     

    Durante o curso, ele pretende esclarecer alguns mitos e preconceitos em relação à hipnose. Segundo ele, esses esclarecimentos são importantes para que a hipnoterapia seja melhor compreendida e reconhecida como uma ferramenta de valor clínico. Conheça agora cinco verdades sobre a hipnose:

     

     

    1)      1) Há perda da consciência?

    Ninguém perde a consciência quando é hipnotizado. O transe é um estado alterado de consciência e não um estado sem consciência. O hipnotizado continua ciente de tudo em cada momento e ouvirá tudo que o hipnotista estiver dizendo e os sons ao redor, tendo a escolha de continuar ou parar tudo.

     

    2)      2) Segredos são revelados?

    A pessoa hipnotizada não vai contar nenhum segredo que não queira, nem dizer aquilo que não tenha vontade. Durante o processo, a pessoa pode se expressar quando e se quiser, não podendo ser forçada a isso.

     

    3)      3) A pessoa fica presa no transe?

    Isso não existe. A hipnose é um estado que pode acontecer naturalmente ou ser estimulado. A qualquer tempo, a pessoa hipnotizada pode interromper o processo e sair do transe hipnótico, se assim for a vontade dela.

     

    4)      4) O hipnotizado perde o controle?

    A hipnose é um estado de consentimento. O hipnotista não tem poder ou controle sobre a pessoa hipnotizada. Tudo o que acontece durante o procedimento deve ser aceito. De outra forma, ele se torna sem efeito. 

     

    5)      5) A hipnose faz a pessoa dormir?

    A pessoa não dorme quando está hipnotizada. Na verdade, sua mente se mantém mais alerta. A ideia de dormir, ainda que errada, é bem comum. O relaxamento induzido acaba gerando uma aparência de sono, que, na verdade, não ocorre. Ou se está em transe, ou se está em sono fisiológico.

    Escrito em Segunda, 25 Setembro 2017 00:00
  • Hoje é dia de luta!

    As pessoas que possuem algum tipo de deficiência já foram chamadas por muitos termos pejorativos, como "aleijado", “inválido”, “incapaz”, “deficiente”, entre outros. Mas qual é a terminologia correta? Deficiente, portador de deficiência ou pessoa com deficiência? Essa é uma questão que deixa a maioria das pessoas em dúvida. A forma mais correta é "pessoa com deficiência", pois "deficiente" muitas vezes é colocado de forma pejorativa e, em algum contexto, cada um de nós é deficiente em algo; "portador de deficiência" remete a uma ideia de que a pessoa pode deixar de portar a deficiência quando ela desejar. Contudo, a melhor resposta, mesmo, é: vamos chamar essas pessoas pelo nome. Fácil assim! 

     

     

    Hoje, dia 21 de setembro, é comemorado o Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência. É uma data para repensarmos as nossas atitudes porque se não bastassem as limitações físicas, essas pessoas ainda precisam lidar com o preconceito. O dia foi instituído no Brasil em 1982 e oficializado pela Lei 11.133, de 14 de julho de 2005. A data é a mesma do Dia da Árvore, pois a ideia é representar o nascimento das reivindicações de cidadania e participação em igualdade de condições.

     

    Mesmo após 12 anos de promulgação da lei, é grande a falta de educação inclusiva. E a luta nunca esteve tão árdua. Apesar de o Brasil ter ratificado a Convenção da ONU sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência, princípios fundamentais consagrados no acordo como a não-discriminação, a igualdade de oportunidades e a acessibilidade são desrespeitados todos os dias. Não é por acaso que os profissionais com deficiência ainda enfrentam algum tipo de dificuldade no mercado de trabalho. É o que garante uma pesquisa feita pelas empresas Vagas.com e Talento Incluir, essa última especializada na inclusão de pessoas com deficiência na sociedade através do mercado de trabalho. 

     

    Segundo o levantamento, 62% dos trabalhadores com deficiência disseram que já tiveram diversos problemas. Desse percentual, a maioria reclamou de falta de oportunidade (66%). Em seguida vêm baixos salários (40%), ausência de plano de carreira (38%) e falta de acessibilidade (16%). O estudo revela ainda que quatro em cada dez pessoas com deficiência já sofreram algum tipo de discriminação no ambiente de trabalho. Desses 40%, a maioria (57%) disse que foi vítima de bullying. Outros 12% relataram encontrar dificuldades para serem promovidos, enquanto 9% contaram que já passaram por isolamento e rejeição do grupo.

     

    O Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência é um alerta para que toda a sociedade trabalhe para garantir a plena inclusão, participação, autonomia, acessibilidade e respeito dessas pessoas. Infelizmente, ainda existem muitos tipos de barreiras: físicas, culturais ou sociais. A redução delas é um trabalho que depende de cada um de nós. 

     

    A psicanalista Shirley Moraes afirma que a participação da família no desenvolvimento da pessoa com deficiência é essencial para a efetivação da inclusão. É importante que a família esteja atenta ao comportamento apresentado pelos entes queridos, principalmente na fase escolar, onde é mais provável que aconteça a prática de bullying, e, também, na adolescência, onde os jovens, de maneira geral, buscam a aceitação de seus "pares", o que por vezes não se torna tão fácil.

     

    “A proximidade da fase adulta e da necessidade de assumir o gerenciamento de sua vida pessoal, tanto no aspecto afetivo, quanto no aspecto econômico, independentemente de suas possibilidades, também podem ser preocupações frequentes e que podem causar alguns transtornos a curto, médio ou longo prazos”, destaca Shirley.

     

    “Outro momento que costuma ser bem desafiador para as pessoas com deficiência, como já foi dito, é o da inserção no mercado de trabalho e, por isso, aqui também a rede de apoio é fundamental para o seu desenvolvimento pessoal e profissional”, considera Shirley. Vale lembrar que, como qualquer sujeito, a pessoa com deficiência também possui angústias, ansiedades, às vezes depressão, além da necessidade de terapias físicas ou psicológicas com profissionais qualificados. 

    Escrito em Quarta, 20 Setembro 2017 00:00
  • Satisfação na vida X Qualidade nos relacionamentos

    Você já parou para pensar como está sua vida? Você está satisfeito com a vida que está levando? A resposta não é tão simples, pois são muitas as questões que envolvem o nosso dia a dia, como a nossa idade, o local que a gente mora e até a nossa renda familiar, entre outras. A Confederação Nacional da Indústria faz, trimestralmente, uma pesquisa em todo o país para "medir" a satisfação das pessoas em relação à vida que levam. A pesquisa "O Medo do Desemprego e Satisfação com a Vida" é elaborada a partir de uma coleta de opinião pública de abrangência nacional conduzida pelo Ibope Inteligência. Os indicadores são coletados desde 1999 com pessoas a partir de 16 anos. 

     

    Na sondagem, é feita a seguinte pergunta:  Como o(a) Sr.(a) diria que se sente com relação à vida que vem levando hoje? O resultado mais recente do estudo, divulgado em julho, mostra que a satisfação com a vida vem aumentando mais na região Sul, onde se verifica crescimento de 2,4% em relação a março de 2017 e de 3,0% em relação a junho de 2016. Na comparação com o mesmo período do ano passado, a única região que apresenta queda na satisfação com a vida é a Nordeste. Os resultados revelam ainda que quanto mais jovens os entrevistados, maior a satisfação: na faixa entre 16 e 24 anos, o índice de satisfação com a vida é de 69,6% contra os 64,1% da faixa etária acima dos 55 anos. Outro ponto importante da pesquisa mostra que quem mora na capital está menos contente com a vida do que quem mora no interior.

     

    Nós podemos até acreditar que dinheiro, saúde e sucesso profissional são motivos suficientes para proporcionar felicidade. Mas estudiosos do comportamento humano defendem que não. Por quase 80 anos, pesquisadores da Universidade de Harvad procuraram uma resposta sobre o que nos traz felicidade, no estudo sobre o Desenvolvimento Adulto (Study of Adult Development, no original em inglês). O atual diretor do estudo, o psiquiatra americano Robert Waldinger, disse que há muitas conclusões na pesquisa, mas que o fundamental para nos mantermos felizes e saudáveis ao longo da vida é a qualidade dos nossos relacionamentos. 

     

    Segundo ele, uma relação de qualidade é uma relação em que a gente se sente seguro, em que a gente pode ser a gente mesmo. Outra dica de Waldinger para termos maior satisfação com a vida é procurarmos fazer coisas que têm significado pra gente. O escritor americano George Bradt também procurou respostas sobre o que nos traz satisfação e felicidade.  Ele analisou vários estudos sobre o tema e chegou à conclusão que o segredo da felicidade está baseado em três atitudes: conseguir fazer o que se ama, estar próximo a amigos ou simplesmente conseguir estar saudável psicologicamente, financeiramente ou emocionalmente. 

     

    A psicanalista Shirley Moraes, diretora do NitidaMente Instituto, destaca que quando estamos bem psicologicamente, a tendência é que façamos uma análise dos acontecimentos cotidianos com foco no "apesar de", ou seja, apesar de determinada situação não ser tão favorável, é possível buscarmos recursos e/ou alternativas para solucionar o desafio. "Assim, as atenções que antes eram voltadas para a causa do problema passam a ter foco na superação do mesmo, validando o aprendizado que se pode obter com tal experiência", explica. 

    Shirley enfatiza ainda que uma forma de termos satisfação na vida é praticando o altruísmo, ou seja, ajudando o próximo. O altruísmo, inclusive, pode ser utilizado como uma indicação terapêutica, pois quando observamos os desafios vividos pelo próximo e tentamos auxiliá-lo, nós acabamos repensando nossas vidas, emoções, pensamentos e atitudes. "É uma forma de nos direcionar à prática da gratidão, do perdão e da valorização das nossas conquistas", completa Shirley.

    Escrito em Quarta, 13 Setembro 2017 00:00

Endereço e Contatos



EDIFÍCIO CEO SALVADOR SHOPPING, SALA 2404, TORRE LONDRES - AV. TANCREDO NEVES, 2.539
CAMINHO DAS ÁRVORES, SALVADOR - BA.
TEL.: (71) 4101-2016 - 98519-2326 - contato@nitidamente.com